Payday loans uk
  1. Skip to Menu
  2. Skip to Content
  3. Skip to Footer>

MALABARISMOS DIDÁTICOS

PDF Imprimir E-mail

Izabel Sadalla Grispino *

O professor, como já dissemos em outras oportunidades, é a alma do processo de aprendizagem. Devotar-lhe atenção, valorizá-lo, são luzes para a educação.

Pesquisas constatam que as notas dos estudantes caem, em até 20%, quando seu professor nunca passou por uma faculdade. Se o professor não alcança, não atinge a percepção, não consegue encontrar o caminho de uma educação de qualidade, como desenvolver no aluno a capacidade de ler e de interpretar? A leitura e a interpretação de textos são requisitos básicos para se aferir o grau de aprendizagem do aluno e suas possibilidades de adquirir conhecimento em outras matérias.

Já é chavão dizer que nesses aspectos o ensino brasileiro é decadente. Dados do Ministério da Educação mostram que essa capacidade, entre nossos alunos, vai muito mal: 91% terminam o ensino fundamental abaixo do nível adequado, não conseguindo compreender textos elementares. Faltam apenas 9% para que a porcentagem seja total! O que estamos esperando?!

Acrescente-se a esse dado um outro bastante agravante. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios – Pnad 2003 – divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o nosso País conta, aproximadamente, com 16 milhões de analfabetos (indivíduos maiores de 15 anos). Em Nova York – ano de 2000 – na maior reunião de dirigentes mundiais de todos os tempos, 191 países da Organização das Nações Unidas (ONU) aprovaram as 8 Metas do Milênio, divulgadas pela campanha “8 Jeitos de Mudar o Mundo”. Dentre essas metas, “Educação básica de qualidade para todos” foi classificada em 2.º lugar, ficando abaixo, apenas,  da meta “Acabar com a fome e a miséria”.

A ONU colocou a educação como um dos mais importantes desafios da área de responsabilidade social, para se atingir as metas desejadas. A educação irá se encarregar de promover os avanços pretendidos. Os 8 Jeitos de Mudar o Mundo foram assim dispostos: 1 – Acabar com a fome e a miséria; 2 – Educação básica de qualidade para todos; 3 – Igualdade entre sexos e valorização da mulher; 4 – Reduzir a mortalidade infantil; 5 – Melhorar a saúde das gestantes; 6 – Combater a aids, a malária e outras doenças; 7 – Qualidade de vida e respeito ao meio ambiente; e 8 – Todo mundo trabalhando pelo desenvolvimento.

Percebemos o quanto a educação de um povo está intimamente relacionada às metas pretendidas. É ela  o fio condutor da qualidade de vida, em todos os setores e uma educação de qualidade requer, nas escolas, professores qualificados. O mais triste, entre nós, é que não faltam só professores bem formados, faltam, em escala crescente, simplesmente professores para preencher os quadros existentes.

Recentemente, lemos nos jornais que o Ministério da Educação (MEC) busca profissionais dispostos a dar aulas em escolas públicas de ensino médio, para suprir um déficit considerável. Lançará uma convocação nacional para contratar professores nos Estados, especialmente, das disciplinas de matemática, física, química e biologia. Espera encontrar professores aposentados, ou que dão aulas em escolas particulares e mesmo profissionais de áreas afins, como economia ou agronomia, que se interessem em assumir as salas de aula.

Nos Estados do Nordeste, a situação é crítica. Falta de professores, atraso de salários e falta de equipamentos vêm impedindo o aumento das redes escolares. Contudo, a ausência de professores é um problema em todo o País, dizem os representantes do MEC. Uma projeção feita pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas em Educação (Inep) aponta que, em curto prazo, o déficit de professores pode chegar a 250 mil. O cálculo foi feito com base no número de turmas de licenciatura existente no País, a quantidade de formados nos últimos 12 anos e a expectativa de conclusão nesses cursos até 2010. Em algumas disciplinas, como física e química, a situação é pior, com a previsão de que seja formado apenas um terço dos professores necessários.

Chegamos num ponto em que, ao invés de lutar pelo aperfeiçoamento pedagógico dos professores, temos que lançar mão de profissionais sem o devido preparo para o magistério! O remendo continua persistindo! Pretende o Ministério da Educação (MEC) que “os Estados comecem a chamar pessoas que podem estar interessadas em trabalhar como professores, mesmo que não tenham a formação totalmente adequada. A preferência inicial será dada àqueles que têm os cursos de licenciatura, que não estão na rede pública, mas têm interesse”.

Em seguida, serão chamados matemáticos, físicos, biólogos e outros que têm o bacharelado na área, mas não a licenciatura. As outras alternativas são formandos em licenciatura e pessoas graduadas em áreas que incluem as disciplinas em que faltam professores.

Diante do quadro exposto, não há tanto que se espantar com o noticiário de jornais do resultado do último vestibular da Fuvest. Candidatos que apresentaram redações pré-fabricadas, ostentando referências a teóricos, a fatos históricos importantes, em bom português, mas, absolutamente, fora do tema proposto. São redações-modelo que os candidatos levam preparadas, mas sem nenhuma ligação com o tema pedido.

A impressão que fica é que os alunos foram treinados para camuflar, com estilo e erudição e não preparados para argumentar, desenvolver o raciocínio, o espírito crítico, a observação. Continuam no método tradicional da memorização. Alunos que não se atêm ao hábito da leitura, da redação, da interpretação.

Num País onde professores usam de malabarismos para fazer valer suas aulas, o que esperar dos seus alunos?!

* Supervisora de ensino aposentada.        
(Publicado em abril/2005)